As difíceis escolhas de Keir Starmer – 08/07/2024 – Martin Wolf

Keir Starmer conquistou uma grande maioria parlamentar com um apoio surpreendentemente fraco. O Partido Trabalhista obteve apenas 34% dos votos. A mudança no apoio ao Partido Conservador desde a grande vitória em 2019 também destaca a extrema volatilidade do eleitorado.

Talvez o mais perturbador, o estudo “Política Danificada?”, do Centro Nacional de Pesquisa Social, avalia que “a confiança e a credibilidade nos governos estão mais baixas do que nunca estiveram.”

Os detalhes são preocupantes: 45% quase nunca confiariam nos governos britânicos de qualquer partido para colocar as necessidades da nação acima dos interesses de seu próprio partido político; 58% quase nunca confiariam nos políticos de qualquer partido no Reino Unido para dizer a verdade quando estão em apuros; e 71% acham que a economia está pior por causa do Brexit, a política principal do governo do ex-premiê Boris Johnson.

O desafio para o Partido Trabalhista não é apenas governar bem, mas também restaurar a confiança ao fazê-lo. Se falhar em ambos, há uma boa chance de ser varrido do poder na próxima eleição. Quando a confiança na política respeitável e convencional desmorona, uma grande parte do eleitorado abraçará promessas de demagogos mentirosos. No entanto, os perigos desse tipo de política foram perfeitamente revelados no destino do último governo.

Assim, restringir o comércio com o vizinho mais próximo e maior mercado do Reino Unido nunca poderia tê-lo enriquecido. Um interessante artigo recente, “Igualando para Baixo”, chega a três conclusões preocupantes

  1. As perdas gerais de produção do Brexit (em relação a um contrafactual sintético) são de pelo menos 5 pontos percentuais do PIB (Produto Interno Bruto)
  2. O Brexit reduziu a desigualdade regional, mas o fez “nivelando para baixo” —ou seja, prejudicando— regiões mais prósperas do que menos prósperas
  3. O apoio a partidos populistas de direita aumentou em regiões que sofreram perdas de produção relacionadas ao Brexit. Assim, as perdas causadas por mentiras populistas podem beneficiar os políticos que as propõem

No entanto, isso não ajudou os conservadores, porque eles não podem jogar a carta populista tão bem quanto um Nigel Farage pode. Eles também precisam do apoio de pessoas que esperam que um partido governante mostre decência, sobriedade, seriedade, confiabilidade e competência.

Agora chegou a vez de Starmer. A grande questão é se ele pode restaurar a confiança entregando resultados, a única maneira provável de dar certo a longo prazo.

Ele ganhou poder não apenas por causa dos evidentes fracassos do governo anterior, mas também por causa do desempenho excepcionalmente ruim da economia desde a crise financeira de 2007-09, seguida pelas perdas causadas pelo Brexit, pela pandemia e pela “crise do custo de vida”. O Partido Conservador não teve resposta para o primeiro e foi brutalmente atingido pelos três últimos.

O desafio de Starmer, e de sua ministra da Economia, Rachel Reeves, é bastante simples: ele prometeu melhorar as coisas enquanto muda muito pouco. Essa cautela foi excessiva e agora tornará muito mais difícil governar.

Um problema imediato causado por tal cautela surge da necessidade de melhorar os serviços públicos, especialmente o Serviço Nacional de Saúde e o governo local. Como isso será possível em uma economia estagnada sem pedir mais empréstimos ou arrecadar mais do que uma quantia trivial em impostos extras? Sim, o Partido Trabalhista pode ter sorte. Talvez a passagem de todos os problemas recentes e o surgimento de um governo estável sejam suficientes para reacender o crescimento. Mas e se não for?

Meu colega Robert Shrimsley argumentou que esta pode ser a última chance para o “centrismo” no Reino Unido. Alternativamente, pode ser a última oportunidade para qualquer governo que tente entregar resultados, em vez de apenas canalizar a raiva. Este governo então deve realmente entregar resultados.

Como argumenta Andy Haldane, ex-economista-chefe do Banco da Inglaterra, eles precisarão dar alguns passos audaciosos.

Eu destacaria a necessidade de se aproximar muito mais da UE, liberalizar radicalmente o planejamento, relaxar regulamentações, apoiar a inovação, descentralizar o poder, reformar a tributação, fortalecer o sistema de pensões, possibilitar a aprendizado ao longo da vida, racionalizar a imigração e melhorar a eficiência e eficácia dos serviços públicos e da administração.

Eles também terão que aumentar os impostos, inclusive reformando a tributação da terra e substituindo o imposto sobre combustíveis por um imposto sobre emissões de gases de efeito estufa.

A dificuldade é que nada disso será fácil e partes disso foram descartadas antecipadamente. Mas quebrar promessas só pioraria ainda mais a falta de confiança que herdaram. Este é o dilema que os fracassos passados e as promessas do Partido Trabalhista criaram. É de grande importância que Starmer encontre uma saída.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar sete acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Link da fonte

Ver Artigo Completo