Endividamento das famílias se mantém em 78% no Acre, diz pesquisa


De acordo com a Fecomércio-AC, índice se manteve semelhante ao registrado em meses anteriores. Em março, a mesma pesquisa já havia apontado que 78% das famílias do estado tinham dívidas. Acre teve estabilidade no endividamento familiar, na avaliação da Fecomércio
Reprodução/Jornal Nacional
O endividamento das famílias se manteve em 78% no Acre no mês de junho, de acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio-AC) nessa terça-feira (9).
Leia mais
Acre teve mais de 15 mil empresas inadimplentes em abril, diz Serasa
Pouco mais de 43% da população adulta do AC está inadimplente, diz Serasa
Cerca de 78% das famílias do AC estão inadimplentes, diz pesquisa
De acordo com a Associação Brasileira de Profissionais de Educação Financeira (Abefin), está inadimplente aquele que não cumpre obrigações financeiras no vencimento acordado, ou seja, está em atraso com seus pagamentos. Já o endividado é quem assume compromissos financeiros de curto, médio ou longo prazo. Por exemplo, empréstimos, financiamentos, parcelamentos ou até mesmo despesas mensais, como contas de energia elétrica, água, telefone pós-pago, entre outros.
De acordo com a Fecomércio, o índice se manteve semelhante ao registrado em meses anteriores. Em março, a mesma pesquisa já havia apontado que 78% das famílias do estado tinham dívidas, o que equivale a 90.818 residências.
Das famílias que possuem dívidas no estado, 35% estão com contas atrasadas, o que corresponde a 41.645 domicílios. Outras 15,6% afirmaram não ter condições de pagar suas dívidas no vencimento, totalizando 18.114 famílias.
Dos domicílios endividados, 32,8% têm renda familiar de até 10 salários-mínimos, enquanto 28,9% possuem renda superior a esse valor.
O comprometimento da renda familiar em junho foi de 32,4%, o que representou o menor nível desde o mesmo mês no ano passado. Porém, segundo a Fecomércio, o índice é preocupante.
Ainda assim, para o assessor técnico da instituição, Egídio Garó, os números representam uma maior conscientização das famílias em relação às finanças.
“Conclui-se que as famílias estão evitando se endividar para esquivar-se da inadimplência”, comenta.
VÍDEOS: g1

Link da fonte