IPCA acelera, mas deve fechar 2024 abaixo do teto, dizem economistas

Economistas calculam que inflação em 12 meses deve atingir pico do 2º semestre em julho, com taxa de 4,4% a 4,5%

O avanço da inflação acumulada em 12 meses, registrado desde abril, deve continuar na próxima divulgação do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), em julho, projetam economistas do mercado financeiro consultados pelo Poder360. A maioria dos agentes, porém, ainda prevê que a taxa irá encerrar o ano abaixo do teto da meta de inflação.

A meta de inflação em 2024 é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 p.p (ponto percentual) para cima ou para baixo. No IPCA de junho, publicado nesta 4ª feira (10.jul.2024), a variação acumulada nos últimos 12 meses atingiu 4,23% –acima dos 3,93% observados em maio.

 

Os economistas consultados projetam que a taxa pode alcançar de 4,4% a 4,5% em julho –sob pressão do reajuste da Petrobras, anunciado na 2ª feira (8.jul), e dos preços de alimentos–, mas estimam desaceleração nos meses seguintes. 

“A inflação está caminhando para mais perto de 4% do que de 4,5% até o fim do ano”, afirma o economista Alexandre Maluf, da XP Investimentos. A corretora elevou de 3,8% para 4% a projeção para o IPCA de 2024 depois do anúncio do reajuste da gasolina e do gás de cozinha.

Para Maluf, o movimento recente de aumento nas expectativas de inflação para este ano estava muito associado à preocupação com a dinâmica dos preços de alimentação e serviços, junto com o estresse no câmbio. A variação abaixo da esperada pelo mercado no IPCA de junho, no entanto, deu certo alívio para esse cenário, diz. 

Os agentes, em média, esperavam uma taxa próxima de 0,3% para a inflação mensal de junho, mas o índice variou 0,21% no período. 

O economista da XP Investimentos projeta aceleração da inflação acumulada em 12 meses para 4,4% em julho, mas afirma que a taxa deve desacelerar nos meses seguintes, com ajuda principalmente de uma dinâmica de alimentos que tende a ser mais benigna do que a registrada no 1º semestre.

A economista Andrea Angelo, estrategista de inflação da Warren Investimentos, também elevou a projeção para o IPCA de 2024 depois do reajuste da Petrobras, de 4,1% para 4,3%, mas reduziu a estimativa para 4,2% depois dos dados da inflação de junho. 

“Para uma inflação além do teto da meta, teríamos que ver alguma surpresa mais negativa no câmbio, como ele estabilizando em R$ 5,70”, diz a economista, que afirma, porém, que a “mudança de tônica” nas últimas notícias conduzem o dólar a um nível mais razoável. 

A Quantitas também moderou a projeção para a inflação de 2024 depois do dado de junho, de 4,3% para 4,2%. Estima que o IPCA acumulado em 12 meses deve atingir 4,53% em julho, mas convergir para níveis menores nos meses seguintes.

“Entre julho e setembro teremos certa devolução das altas de alimentos que marcaram o primeiro semestre”, afirma o economista da gestora João Fernandes. 

ACIMA DA META

O C6 Bank projeta que a inflação encerrará o ano em 4,7%. “Apesar de o dólar estar acalmando, vemos uma depreciação no câmbio desde o início do ano e isso passa para os preços”, diz a economista Claudia Moreno.

Moreno afirma que a inflação de alimentos deve contribuir para puxar o IPCA para cima nos próximos meses. “A queda nos preços das commodities trouxe alívio para inflação nos últimos anos, tanto em alimentos quanto em bens industriais. O repasse dessa queda ao consumidor puxou a inflação para baixo, mas esse movimento praticamente se esgotou”, diz. 

No entanto, diz que, se concretizada, a projeção do C6 deixaria o IPCA só ligeiramente acima do teto da meta e que ainda há muitas incertezas no cenário.



Link da fonte